Iníxio Mapa do Site Web Mail Facebook You Tube

Notícias

Vigilância Sanitária instrui comerciantes sobre resolução que trata fracionamento de derivados de origem animal

A- | A+

Comprar alimentos fracionados no mercado é um costume comum. São poucas as famílias ou pessoas que levam, por exemplo, 1kg de presunto para casa de uma vez só. Por isso, há a necessidade de fracionar alimentos e vendê-los em gramas ou quantidades menores. Dia 25 de abril, entrou em vigor a Resolução nº 469/2016, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), para novas normas que deverão ser seguidas por estabelecimentos como açougues, panificadoras e supermercados que comercializam alimentos fracionados de origem animal.

Um dos principais pontos da Resolução determina que todo produto derivado de origem animal somente poderá ser fracionado, embalado, reembalado e rotulado se o varejista contar com um responsável técnico qualificado para orientar a atividade de autosserviço (quando há o embalamento sem a presença do consumidor).

Para tratar sobre o assunto, a Secretaria Municipal de Saúde de Laranjeiras do Sul (Semusa), através da Vigilância Sanitária, realizou nesta sexta-feira, 19, uma reunião com produtores e estabelecimentos que produzem e comercializam carnes e derivados. O Secretário de Saúde, Valdemir Scarpari e a bióloga da Vigilância Sanitária Camila Bortoluzzi coordenaram o encontro. “Em nosso governo o diálogo vai prevalecer. Por isso apresentamos a resolução aos comerciantes, e demos um prazo de 120 dias para os mesmos se adequarem às normas previstas na resolução. O não cumprimento configura infração sanitária, passível de punição pelo Código Sanitário do Estado”, alertou o secretário.

 

19/05/2017


Voltar para Página Inicial